jul
10

@Dubai

Dubai, que cidade é essa? Todo o tempo que passei montando esse post para vocês, passei sentindo saudade de todos os momentos. Fez parte do nosso roteiro Ásia 2012, depois do Vietnam (ver post aqui), fomos à Dubai. Dubai é um dos Emirados Árabes, fazendo parte dos Emirados Árabes Unidos (EAU). Dubai é uma cidade muito em evidência, e sobre ela muita gente sabe. Não dá para acreditar que toda essa grandeza foi construída em tão pouco tempo. É tudo tão grandioso, rico, limpo, evoluído, seguro, que dá para pensar que foram séculos e mais séculos de desenvolvimento. Resumindo: vale a pena! Ao longo do post vocês vão ver e confirmar!

A altura dos prédios normais, na Marina de Dubai.

Logo que aterrizamos em Dubai, já nos deparamos com milhares de mulheres e homens com trajes tradicionais (lógico né? o país é muçulmano). Essa foto foi tirada no lobby do Hotel, que super indico, o Atlantis Dubai.

O aquário que tem dentro do Hotel, é incrível como tudo é tão grandioso! Só vi algo parecido no Georgia Aquarium, em Atlanta, nos Estados Unidos, que é o maior aquário do país. O aquário do Hotel é comparável ao maior aquário dos Estados Unidos, OH MY GOD!

Logo no nosso primeiro dia, compramos no hotel mesmo um passeio para conhecer um pouco da história de Dubai e seus principais pontos turísticos. O pouco de história que uma cidade tão nova ainda tem.

Apesar de não envolver historicamente Dubai (ou não?!), o único hotel considerado 7 estrelas do mundo, o Burj Al Arab, é um dos maiores pontos turísticos. Curiosidade: Nenhum hotel pode ter oficialmente mais de 5 estrelas, por isso que o Burj Al Arab é apenas considerado um hotel com nível 7 estrelas. Todo apartamento tem dois andares e um mordomo a sua disposição. Meio exagerado? Quem não queria um dia poder conferir se é exagero? A foto não ficou tão nítida, porque Dubai estava transitando de estação e pegamos um período de sandstorm, que é normal na mudança de clima, a cidade estava coberta de areia, parece nublado não é?

A maior mesquita de Dubai. Muito bonita e com uma vegetação bem típica do local, deixando tudo mais charmoso e diferente para gente:

Depois fomos conhecer a chamada Old Dubai, o lado antigo da cidade, que ainda preserva sua arquitetura tradicional.

As chamadas Torres de Vento, esses “quartinhos” em cima das construções que vocês estão vendo nas fotos, eram os “ar-condicionados” deles antigamente. Faziam com que o ar frio, mais denso que o ar quente, ficasse preso nessas torres e descesse para a sala, onde todos dormiam. Muitos restaurantes e hotéis usam as torres de vento como decoração, fica muito legal, pois é um símbolo da cidade.

Foto à beira do rio Dubai Creek, que fica na parte antiga/histórica de Dubai.

Eu adorei o Dubai Museum, parece Disney, muito interessante. E retrata de forma bem fácil e com interação a formação da cidade do zero até como é hoje.

Amei amei amei amei, não vai ter espaço aqui para descrever como eu AMEI esse passeio que fizemos no deserto. É chamado Passeio Safari no Deserto. É uma trilha SUPER emocionante, com muita adrenalina, seguida de show de falcões, aves incríveis e super inteligentes, passeio de camelo e um jantar no meio do deserto muito muito inesquecível, não tem como expressar esse dia. Foi indicação de um amigo nosso, Rodrigo, e que agora indico a todos que forem a Dubai. Foi a melhor parte da viagem. Tudo muito exótico e diferente. Por favor, passem e repassem essa dica!

As mesas de jantar postas em cima de gigantescos tapetes, almofadas e lapiões, muito diferente:

No outro dia fomos conhecer o famoso/famosíssimo Burj Khalifa, o maior prédio do mundo! E fica beeeem longe do segundo lugar, a CN Tower, em Toronto/Canadá, que já visitei e fiquei espantada com a altura. Agora imagina o Burj Khalifa, ficam todos “abestados” olhando para cima e admirando.

Essa foto é nos arredores do Burj Khalifa, que é cheio de restaurantes e barzinhos gostosos:

Essa foto tirei de uma lojinha que fica na parte do Golden Souk no Dubai Mall (o maior shopping do mundo). É uma parte do shopping que “imita” o famoso Golden Souk, localizado na parte antiga de Dubai. Por incrível que pareça, os preços são iguais aos preços que você encontra no Golden Souk original. E todas as lojinhas seguem esse padrão de vitrine, nós mulheres enlouquecemos com isso tudo. Então, vale a pena comprar no próprio shopping. Eu comprei na feira mesmo, Golden Souk original, um colarzinho que pretendo levar comigo a vida inteira (se não for roubada né?), e acho que vale a pena investir numa peça que vai marcar para sempre sua viagem. Eu amei demais. E realmente é mais barato que no Brasil. Quanto ao shopping, Dubai Mall (fica ao lado do Burj Khalifa) realmente é um ponto turístico, mesmo para quem não gosta de compras, é muito legal. E para quem gosta de comprar, é melhor ainda, você encontra por lá só TUDO. Outro shopping muito bom é o Mall of Emirates, também gostei muito.

Em frente ao Burj Khalifa, acontece várias vezes ao dia, um show de águas. Eu adorei o ritmo árabe em que as águas dançam.

No outro dia fomos até Abu Dhabi conhecer a terceira maior mesquita do mundo, a mesquita Sheikh Zayed. Valeu muito a pena, é fantástico o local.

Tivemos que vestir essa roupa para entrar (eles dão na entrada):

Reparem os detalhes:

Depois, em Abu Dhabi, aproveitamos e fomos conhecer o Parque da Ferrari, onde tem a montanha russa mais veloz do mundo.

Eu com uma Ferrari (não sei porque tirei essa foto, pra mim todas as Ferraris são iguais):

Prestes a partir, fuuuuiiiiii!

Foi bom demais, é muito muito rápido, nossas bochechas quase desintegram, hahaha.

No outro dia, fizemos um passeio de barco muito legal, você vê toda a orla da cidade e ainda nada ao lado do Burj Al Arab.

Em frente ao nosso Hotel, o Atlantis, eu adorei! Tudo muito bom!

A nossa turma bem fraquinha da viagem, ô turma maravilhosa:

Não pude deixar de me jogar no mar:

O Burj Al Arab bem de perto. Lá dentro é muito legal, depois faço mais posts de Dubai, se não vocês vão encher o saco em um post só:

Eu nadando e curtindo esse marzão todo pra mim. O hotel a frente é o Madinat Jumeirah, que na minha opinião, é muito mais bonito e mais interessante que o Burj Al Arab. O preço da diária não é muito diferente da pechincha da diária do Burj Al Arab, por isso fomos somente jantar e conhecer, mas valeu. Que hotel lindo, e o restaurante tão quanto, o Pier Chic, depois posto aqui:

Depois fizemos passeio de helicóptero. Senti um friozinho na barriga mas venci o medo e fui. É uma indicação que rola por todos os blogs de viagem e realmente é um programa para não deixar de fazer, só assim dá para ter noção do “desenho” de Dubai. Suas ilhas artificiais são incríveis lá de cima!

 

Ainda não falei tudo que queria, mas já deu para dar várias dicas para quem está se programando para ir à Dubai. Quem tiver mais qualquer dúvida, é só comentar. Beijos! Até amanhã.

jul
04

Vietnam – Ásia 2012

Em março, deste ano, depois de conhecer Singapura (post aqui), fomos ao Vietnam. Um país cheio de cultura que deixa qualquer um encantado. Suas belezas naturais chamam a atenção de inúmeros viajantes, como nós. Logo que chegamos ao aeroporto internacional de Hanoi, capital do país, trocamos dólares por Dong’s (moeda da nação). Confesso que não conhecia a moeda. Tem estampado nas cédulas o rosto do maior líder do país, Ho Chi Minh. A antiga cidade Saigon, ao sul do Vietnam, hoje se chama Cidade de Ho Chi Minh. Hanoi e Halong Bay ficam ao norte. Desembarcamos em Hanoi e fomos direto a Ha Long Bay, depois voltamos a Hanoi.

A moeda é muito desvalorizada, trocando $200, ficamos literalmente milionários, hahaha:

Ao chegar em Ha Long Bay (3 horas de Hanoi), dormimos no Hotel da rede Novotel (que por sinal, o Novotel de NY é o melhor hotel do MUNDO, nada exagerada né? Como se conhecesse todos), e de manhã nos deparamos com esse café da manhã, chato ein?

Logo em seguida, embarcamos no Paradise Cruises, cruzeiro que fica dois dias e uma noite na Baía de Ha Long, nos encantando com seus segredos e belezas.

O almoço de recepção:

Todos já no clima:

No final da tarde, fomos conhecer a maior gruta de Ha Long Bay, é muito incrível, muito HUGE! Nunca vi nada assim. A nossa gruta de Ubajara, aqui no Ceará, não chega nem perto em relação ao tamanho, apesar de ser muito linda também.

Todo o grupo reunido:

Olhem a imensidão, essa é uma das partes da gruta. Foram 2 horas andando!

Vista saindo de lá (estava neblinado):

Voltando para o cruzeiro com as únicas pessoas (muito fofas) da tripulação que desenrolavam o inglês.

Existe mais gostoso? Tomei um chá bem quente e fiquei por uns 30 minutos só admirando da varanda do quarto:

Em seguida tivemos aula de como fazer o famoso Rolinho Primavera (para quem não sabe, é típico vietnamita, não é chinês), MUITOOOO BOOOOMMM!

No café da manhã, a famosa sopa vietnamita, a Pho Soup. Caué amou, eu nem provei!

Depois do café, na varandinha, curtindo o friozinho:


Desembarcando do cruzeiro, fomos rumo a Hanoi. Apesar de ser a capital, não é a maior cidade do Vietnam, é a segunda maior (atrás da antiga Saigon). Visitamos o Mausoléu do idolatrado Ho Chi Minh. Curiosidade: Para quem não sabe, Ho Chi Minh é apelido, e significa “aquele que ilumina”. Ho Chi Minh declarou a Independência do Vietnam do Norte na praça onde fica seu Mausoléu, libertando os vietnamitas da dominação francesa. Foi muito legal escutar a versão deles sobre a Guerra do Vietnam. Nós aprendemos no colégio que, o Vietnam do Norte tentou tomar o Vietnam do Sul, para virar um país unificado e comunista. E nosso salvador, Estados Unidos da América, entrou para apoiar o Vietnam do Sul a lutar contra dominação do Vietnam do Norte. Já eles contam que os dois países (Vietnam do Norte e Vietnam do Sul), queriam a unificação, e os EUA temiam o famoso efeito dominó, em que os países, influenciados pelo Vietnam, também virassem comunistas, algo que EUA não queriam nem um pouco. Cada lado tem uma história, é como briga de namorado. Foi muito interessante escutar a versão que eles contam e ensinam na escola.

*Nós chamamos Guerra do Vietnam. Eles chamam Guerra Americana.

É muito comum ver mulheres vendendo frutas, frituras e outras comidas nas ruas:

Visitando templo Confucionista. Foi muito legal conhecer de perto uma cultura tão diferente da nossa. Confúcio pregou a moral, a lealdade, a sinceridade e a justiça. Era dia de domingo, o templo estava cheio de pessoas com fé, fazendo seus rituais de oração, foi muito legal.

Crianças se preparando para o ritual de formatura de uma Escola Confucionista:

Imagem de Confúcio:

Os crentes deixam biscoitos, frutas, água engarrafada, dinheiro, como forma de agradecimento:

Depois visitamos um templo Budista. Também muito interessante e muito bonito. Siddhartha Gautama (o Buda) era hindu. Acabamos conhecendo mais detalhes sobre essa religião na Índia, onde somente 2% da população é budista, mas, sendo considerada pelos hindus religião derivada do Hinduísmo, aprendemos mais por lá.

Eu me achando uma vietnamita:

Muita fritura nas ruas:

Não gosto nem de relembrar esse almoço de despedida, minha boca já fica salivando. O melhor spring roll (rolinho primavera) de todos os tempos e um fried rice (arroz frito) que não cansei de comer. Só de escrever esse post já engordei 3kgs no pensamento.

Nós amamos o Vietnam. Todos foram muito receptivos, a comida é muito gostosa, a cultura é bem diferente e tudo muito interessante. Gostaram? Até amanhã!

jun
24

Quarto dia – Buenos Aires

Boa noite pessoal. São 4:43h da manhã e aqui estou eu. Começamos o dia indo almoçar no Bairro Chino daqui. Não é lá essas coisas, mas pra quem gosta de comida chinesa, vale a pena ir.  Depois fomos à feirinha da Recoleta, adoro feiras! Sempre acho peças que não encontraria em canto nenhum! Comprei dois anéis, vício deles. Depois fomos ao hotel relaxar na piscina. Um ambiente super zen e relax. Marcamos às 10p.m. um jantar no restaurante Casa Cruz, vale a pena! Muito gostoso, ambiente fora do comum de lindo e super animado. Ao lado do Casa Cruz, tem um bar, chamado Bar Isabel. Na entrada não tem placa, a porta não é das mais imponentes, você não dá muita bola, mas quando entra, MUITO PERFEITO. Supeeeer agitado, músicas maravilhosas, cardápios de bebidas enorme, muita gente bonita. Ficamos até agora por lá. Agora vou mimi pra ter mais histórias e dicas amanhã. Beijos!

 

Look da manhã:

Fotos do Bairro Chino:

Tem muita comida gostosa na feira de sábado da Recoleta (só é sábado viu pessoal):

A piscina chata do hotel:

O look da noite:

O restaurante Casa Cruz:

A adega nada pequena de lá:

Aqui já é o Bar Isabel, perfeito:

 Passei a noite inteira no Kir Royal, desde o jantar na Casa Cruz:

Olha o banheiro de lá, TODO no espelho:

E a gente, pra variar, os últimos a sair:

A entrada nada atrativa que contei:

Beijos e até amanhã!

jun
21

Primeiro dia – Buenos Aires

Boa noite, hoje eu acordei assim, em Buenos Aires. As ruas estavam vazias e eu sem entender o porquê da cidade estar tão fantasma, aí o pessoal do hotel falou pra gente que era feriado em homenagem ao criador da bandeira. Ainda bem que no Brasil não temos mais esse feriado, é feriado demais já, hahahaha. Chegamos aqui às 9a.m. e ficamos esperando nossos amigos chegarem, três casais amigos, que acabaram chegando só às 19p.m.. Acabamos curtindo o dia só nós dois mesmo, mas foi, como sempre, perfeito. Nosso hotel é na 9 de julho, o centro, fomos andando até a Florida e “almoçamos” na Galerias Pacifico, um shopping que parece a Galeria Lafayette, de Paris.  

A gente “almoçou”, que na verdade foi um lanche, em um café super agradável, Fournil de Pierre, muito lindo, gostoso de ficar, mas não tive muita sorte com o pedido. Não que meu croque monsieur estivesse ruim, mas nada que amasse, e em viagem a gente sempre espera AMAR nossos pratos né? Mas indico ir para curtir a beleza do shopping e beber vinho para aquecer um pouco como fizemos. Aqui tá bem friozinho, uma delícia! Depois continuamos andando pela Florida e paramos em um barzinho de esquina só pra ficar observando as pessoas passarem, observar os costumes, as maneiras, manias, amo muito. Bebemos uma garrafa de vinho, nos aquecemos e rimos muito, foi uma tarde/noite maravilhosa! Amei muito.

Quando o pessoal chegou fomos ao Hard Rock Café, mas não levei a máquina, esqueci, então não tenho foto. Amanhã tem mais! Beijos

Créditos:

Blusa, legging e pulseira de couro: Produção

Pashmina: Le Lis Blanc

Bota: Shutz

Outra pulseiras: Forever 21 e H&M

 

jun
19

Cingapura/Singapura

Boa noite pessoal, hoje vou falar sobre meu último roteiro de viagem, feito em março 2012. Começamos com Singapura (pode ser escrito também com C), depois fomos ao Vietnam, depois Dubai/Abu Dhabi, e por último Índia. Vou falar um pouco de cada país em cada post. Em Singapura passamos apenas 3 dias inteiros, mas valeu muito a pena conhecer. A gente se hospedou no maior ponto turístico da cidade, O Marina Bay Sands. Um hotel? Maior ponto turístico? Hãã? É isso mesmo! É impossível alguém em sã consciência ir à Singapura e não visitar (passar o dia inteiro) no gigante Marina Bay Sands. São 3 torres que suportam um enorme “navio” no último andar. O hotel tem um shopping maravilhoso, que dá acesso à famosa ilha Louis Vuitton. Falando em loja, foi a cidade com mais shoppings que já conheci, são tantos tantos shoppings que é difícil escolher onde ir. Mas os preços são bem salgados, então não vale a pena comprar por lá.  A foto acima representa um pouco da grandeza e riqueza de Singapura, tendo como ícone, o Marina Bay Sands: 

A piscina de borda infinita é incrível. Tomar drinks, conversar e morrer de rir com essa vista, do outro lado do mundo, é maravilhoso. Vale ressaltar que as companhias foram maravilhosas e fizeram a viagem ser ainda mais especial!

Tem muita coisa a fazer sem ser curtir o hotel, lógico, apesar de ter achado o mais incrível da cidade. Pegamos um ônibus turístico (hop on-hop off) e visitamos os principais pontos turísticos da cidade. Toda grande cidade cosmopolita que se preze tem um Chinatown. E o Chinatown de Singapura vale muito a pena ir. Tem várias feirinhas, é animado, tem muitos restaurantes, barraquinhas de comidas, tem muita fruta diferente, tem um feira de roupa que é muito boa, e tudo muito barato, enfim, você faz a festa.

Já no espaço indiano da cidade, Little India, não gostei muito. Não tem muita coisa pra fazer, é meio parado, os bares não têm estrutura. Pode até valer a pena ir pra dizer “eu fui, vi, e não gostei ou gostei”, hahahaha. Quem não tem intenção de visitar a Índia, vale mais a pena, para ver um pouco (pouco mesmo) da cultura hindu. Meu namorado adorou, então, vai saber né? Hahahaha.

Comentaram com a gente que em Boat Quay (fotos abaixo) iríamos encontrar uma rua animada, com vários bares e restaurantes. Na verdade encontramos vários bares e restaurantes, com cardápios com fotos que davam muita água na boca, mas animado? Zero! Acho que foi o horário, ainda não sei o porquê de estar tão vazio, mas lá tem histórico de ser um local super animado. Então decidimos ir almoçar no Madarim Oriental de lá, ver gente bonita e curtir nossos momentos sentados (tenho uma teoria que os momentos sentados de uma viagem são os mais inesquecíveis, almoços, jantares, tudo sentado. Não é preguiça viu? Longe disso, hahahaha). Tem um local bem perto de lá, o Clarke Quay, que é bem mais animado, muito bom!

Enfim, amamos muito Singapura, essa cidade rica e com o ar super ocidental que nos deixa tão a vontade. Foi a primeira vez na Ásia e já quero viajar novamente pra lá. Por isso tantos brasileiros estão morando lá. Espero que tenham gostado. Beijos, Ju.